Melhore a experiência do usuário e aumente seus resultados

Tablet escrito experiência do usuário em inglês

Hoje em dia as pessoas usam a internet para trabalhar, estudar, fazer compras, se divertir, se comunicar etc. E são muitas as opções para o internauta! Então, se você quer ter resultados satisfatórios na internet, é fundamental garantir uma boa experiência do usuário para mantê-lo em sua página.

O que é UX?

Há quem diga que UX (User Experience – ou Experiência do Usuário) trata-se do design de um site ou aplicativo. Mas a experiência do usuário é muito mais do que isso. É preciso que a pessoa consiga concluir o que deseja e se sinta confortável em seu acesso.

Considere que a experiência do usuário sempre acontece, seja ela boa ou ruim. A partir do momento que a pessoa clica para acessar algo em seu site, ela já está tendo uma experiência. E o que acontece nesse momento, relacionado ao uso da ferramenta e à sensação da pessoa neste acesso é o que define a qualidade da experiência.

Mas pense que tudo o que acontece durante o acesso interfere na disposição da pessoa em continuar em seu site ou partir para a concorrência. Em outras palavras, quanto melhor a pessoa se sentir, mais chances você terá de reter este cliente e mais lucrativo será o seu negócio.

Por isso, neste artigo vamos deixar dicas importantes para que o seu site atenda às reais necessidades do seu público e esteja preparado para criar uma boa experiência do usuário.

Ux design e ícones que representam a experiência do usuário

O que o site precisa para garantir uma boa experiência do usuário

Antes de pensar no seu site, se coloque no lugar do usuário. Pense no que essa pessoa vai buscar na web, no perfil dela, nos tipos de dificuldade que ela pode ter durante o acesso e em como você pode ajudar, assim como destacar seu site da concorrência.

Lembre-se que a internet está cheia de outros sites como o seu, então se alguma coisa não der certo quando ela clicar em seu link, com certeza ela não vai pensar duas vezes antes de procurar outro “melhor”.

Considere que tudo o que o usuário vivencia durante o acesso interfere em sua disposição de continuar em sua página: a velocidade do site, a facilidade ou dificuldade em encontrar as informações, a responsividade (se o site funciona bem em todos os tamanhos de tela), a integração com outros sistemas, a possibilidade de reparar erros…

Enfim, a lista é enorme! Então fique atento a essas dicas e comece já a melhorar a experiência do usuário em seu site e a conseguir mais resultados em seu negócio pela web.

1. Crie um site acessível a todos

Praticamente todo mundo, atualmente, usa a internet! Crianças, jovens, idosos, estudantes, profissionais das mais diversas áreas e pessoas com inúmeras dificuldades. E a web tem cada vez mais recursos para facilitar o acesso e atender aos que têm necessidades especiais.

Mas para que esses recursos funcionem bem em seu site, é preciso que a sua equipe ou fornecedor o prepare para isso. Desde o layout, facilitando o entendimento das informações e a leitura, até a adequação do site para deficientes visuais.

Além disso, é importante que o site seja bem didático, pensando nos usuários leigos, mas também tenha atalhos que permitam o acesso mais rápido para aqueles que já se familiarizaram com a ferramenta. Um bom exemplo de atalhos nativos são as conhecidas teclas Ctrl+C e Ctrl+V, do teclado.

O seu site pode utilizar os recursos já disponíveis na web, e também pode personalizar seus próprios atalhos (sempre de maneira simplificada), para melhorar a experiência do usuário nas pequenas coisas.

2. Deixe seu site rápido

De que adianta um site lindo, bem elaborado, se na hora de ser acessado trava? Hoje em dia ninguém tem tempo, nem paciência para esperar. Por mais interessada que a pessoa esteja na informação, produto ou serviço do seu site, se a página ficar muito tempo carregando, ela vai mudar de site. E você terá perdido um cliente em potencial!

Por isso, antes de contratar alguém para fazer o seu site, peça referências. Porque nem todo mundo que faz sites bonitos e tidos como funcionais, priorizam a rapidez. Então, um bom jeito de saber se este fornecedor sabe fazer sites rápidos, é ver o que ele já construiu, incluindo o próprio site dele.

Já para saber como está a velocidade do seu site atualmente, você pode fazer uma avaliação por ferramentas como o Google Page Speed, que dá um relatório de performance. Esse teste também é útil para você comparar os sites indicados como referência pelo seu fornecedor.

E se você quiser mais detalhes sobre essas e outras dicas para aumentar a velocidade do seu site, vale a pena ver este vídeo:

3. Torne seu site intuitivo

Quando o usuário entra em um site pela primeira vez, ele precisa conseguir navegar como se já o conhecesse. Porque se houver muitas dificuldades, ele provavelmente não vai encontrar a informação que procura e vai desistir.

Então cuide para que seu site seja intuitivo. Para isso, as padronizações são bem importantes. Procure usar cores semelhantes e ícones que tenham relação entre si, para que o usuário entenda o que eles significam por dedução.

Esses detalhes são importantes, porque o nosso cérebro é muito melhor em reconhecimento do que para decorar informações. Então é bem mais fácil acompanhar uma sequência coerente de informações, seguindo a intuição, do que memorizar um caminho diferente.

Portanto, simplifique o seu layout e permita que a mente do seu cliente fique livre para o que ele realmente foi fazer em seu site, e não em tentar entender como acessá-lo!

4. Facilite a vida do seu cliente com a integração de sistemas

A tecnologia está à nossa disposição para agilizar os processos e nos proporcionar uma boa experiência. Pense em um comércio tradicional que também vende pela internet, por exemplo. Como fazer para evitar conflitos de estoque entre os pedidos da loja física e da virtual? Integração de sistemas!

O que isso tem a ver com experiência do usuário? Tudo! Se acontecer, por exemplo, da pessoa encomendar um produto pela loja online e este tiver sido esgotado no mesmo dia na loja física, vai gerar um desconforto para o usuário. Seja pela demora maior na entrega, ou mesmo pelo transtorno de ter que cancelar a compra, posteriormente.

Mas se o e-commerce for integrado com o estoque da loja física e, em tempo real, tiver a informação de quantos produtos estão disponíveis para venda, não haverá esse tipo de problema. Isso garantirá que a empresa fornecerá as informações certas para o cliente e, assim, atenderá melhor às suas expectativas.

Para saber mais sobre integração de sistemas, veja este artigo: Sistemas Web: O que é Importante Você Saber.

5. Faça com que o usuário se sinta no controle

A experiência do usuário está diretamente ligada ao objetivo dele. Algumas operações na web envolvem questões bem importantes para a pessoa e, muitas vezes, geram bastante ansiedade. Então, clicar por engano em um botão de deletar, por exemplo, pode ser desastroso!

Por isso é importante que o usuário encontre alternativas para resolver problemas, ainda que sejam por distração dele mesmo. Seguindo neste exemplo do botão de deletar, aquelas caixinhas com a pergunta “Você tem certeza que quer deletar?” são uma forma de segurança, evitando que ele delete sem querer.

Outros recursos, como a possibilidade de voltar à tela anterior, refazer um formulário, ou mesmo encontrar respostas para as suas dúvidas no ícone de pesquisa (?), fazem com que o usuário se sinta mais à vontade com a ferramenta. Porque o medo de errar, muitas vezes inibe e o impede de continuar usando o seu recurso.

Sendo assim, ajude o seu cliente a se sentir “em casa” em seu site ou aplicativo. A sensação de estar no controle, ao acessar sua ferramenta, facilita o uso de suas funcionalidades e permite uma boa experiência do usuário.

Ilustração da experiência do usuário com pessoas sobre celular desenhado

Entenda seu cliente e faça bons negócios

Vale considerar que a experiência do usuário não se limita à web. Ao comprar um produto físico, como um carro, o sujeito tem uma experiência e ela determina o seu grau de satisfação na compra.

O celular também é um bom exemplo, tanto na web quanto fora dela! Pois, além da experiência de navegação, existe toda a questão sensorial, o funcionamento do aparelho e os recursos que ele oferece, combinados com as expectativas e sensações da pessoa.

Portanto, quando você pensar em experiência do usuário, abra o leque de possibilidades e faça bom uso da empatia. Quanto mais você se colocar no lugar do outro e compreender as reais necessidades dele, maior a chance de conquistá-lo e fazer bons negócios.

 

Curtiu o conteúdo deste artigo? Compartilhe nas redes sociais!

Deixe uma resposta

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *